Como é ser militar no ITA?


#1

Minha meta é conseguir passar para o ITA e, também, optar pela carreira militar. Como é a convivência lá? Tem treinamento? Como funciona essa rotina estudante/militar? Existe um tratamento diferente de um para outro? E quanto ao mercado de trabalho, após se formar? Enfim, no geral, como é a experiência de ser um aluno e militar no ITA?


#2

Olá, meu nome é Arthur e sou aluno militar do quarto ano do ITA de engenharia Aeroespacial. A convivência dentre os alunos do ITA, sejam militares ou não, é a mesma. Todos moramos no H8 e o respeito é mútuo. O treinamento militar padrão ocorre no primeiro ano do ITA, quando TODOS os alunos são militares. Você terá um período de aquartelamento (40 dias) onde haverão diversos tipos de treinamento, incluindo palestras, e atividade de campo. Esse período de aquartelamento é quando você terá a oportunidade de conhecer diversas pessoas novas e fazer muitos amigos. É um dos melhores períodos do ITA. A rotina do aluno militar (que segue carreira depois do primeiro ano) é bem simples. Ir à aula fardado todos os dias, formatura militar toda segunda feira (dura no máximo 30 minutos), instrução uma tarde por semana e educação física uma vez por semana. De forma geral não toma muito tempo e não é algo que vai atrapalhar seus estudos. Os alunos militares tem uma cobrança um pouco maior pois são representação de um símbolo dentro da sala. Dessa forma, é esperado que o aluno militar não durma na aula, não chegue atrasado ou falte. Mas essa cobrança não é algo crucial, você não vai ter problemas se dormir em uma aula, chegar atrasado ou faltar. Quanto ao mercado de trabalho, o curso que você está matriculado faz total diferença. Para o meu curso, a melhor opção (para quem quer viver no Brasil) é ser militar, pois você terá oportunidade de trabalhar nos principais pólos de engenharia aeroespacial do Brasil. Para o curso de Aeronáutica, tanto militar quanto civil tem varias oportunidades. Se você pretende sair do Brasil, não recomendo ser militar, pois você terá de pedir baixa e será um grande dinheiro da Força Aérea desperdiçado. De forma geral, é extremamente gratificante ser um aluno militar do ITA. O respeito que você recebe é totalmente diferente. Você poderá estagiar no começo do quarto ano, em um dos institutos de engenharia da FAB. Você receberá um salário diferenciado já durante a faculdade e terá um plano de carreira bem formado. Além disso, você terá oportunidade de ganhar muitos contatos de militares de altas patentes que podem te ajudar no futuro. Outro detalhe importante, uma vez que você for militar aluno, sua nota aqui dentro será o principal fator de ordem de hierarquia dentre você e os outros alunos da sua turma. Enfim, espero ter ajudado!


#3

Ajudou sim, e muito! Aproveitando sua resposta, como é o alojamento? São quantas pessoas dividindo o mesmo espaço? E com relação ao que é pago da manutenção, é somente isso que pagamos? Muito obrigada por responder, só fez aumentar ainda mais minha vontade de ir para o ITA. :relaxed:


#4

Oi @Ester, nesse post tem mais informações sobre o alojamento, e é um apartamento para 6 pessoas.
Como é estudar no ITA
Outra coisa sobre os alunos do ITA é que são muito ocupados. :sunglasses:


#5

Obrigada, Susane. Vou dar uma olhada. :slight_smile:


#6

Olá, Arthur. Pretendo fazer engenharia aeroespacial como militar no ITA também, mas a parte de “Se você pretende sair do Brasil, não recomendo ser militar” realmente me desanimou muito, já que queria muito estagiar fora do país. Li na página do ITA que é possível fazer “Intercâmbio no exterior e Iniciação Científica”. Então isso é destinado apenas a alunos civis?


#7

Oi Amanda!

Como militar você normalmente precisa trabalhar no Brasil, mas você pode pedir desligamento da força aérea e ir pra onde quiser.

Dito isso, tenho um amigo militar da minha turma de aeronáutica que está trabalhando em Roma, acho que em um intercâmbio de 2 anos. Vou pedir pra ele explicar aqui como isso aconteceu.

E sobre sua outra pergunta, as oportunidades de intercâmbio são sim mais destinadas aos alunos civis. Mas existem vários exemplos de militares que fazem intercâmbio. Acho que depende das suas notas, do assunto da sua pesquisa e das oportunidades no seu ano.


#8

Olá Amigos e Amigas.

Sou o Thales. Formei-me em Engenharia Aeronáutica em 2009. Estou na Força Aérea Brasileira desde então. Concordo com a descrição do Arthur no tópico acima. No quesito estágio no exterior, em 2010/2011 começou o processo de alunos militares poderem estagiar no exterior, no ultimo ano do ITA, em universidades europeias e americanas, dentro do programa “Ciência sem Fronteiras”. Os alunos civis já tinham um processo mais claro e bem definido desde 2008. Na área de Engenharia Aeronáutica existiam (não sei se está em vigor ainda hoje) parcerias com faculdades européias o qual o aluno do 5° podia estagiar e cursar algumas máterias fora do programa “Ciência sem Fronteiras”. Para os alunos militares, o padrão era seguir em um estágio nos institutos do DCTA, ou até mesmo em outra organização militar da aeronáutica que possuia campo de engenharia. Atualmente, creio que o programa do goveno Federal do Ciência sem Fronteiras esteja interrompido, sendo os estágios no exterior para civis e militares dependendo de parceiras pontuais de cada universidade estrangeira e o ITA. O ITA possui em departamento de apoio que trata de parcerias internacionais que pode esclarecer maiores dúvidas. Segue o link das parcerias internacionais:
Relacionamentos Institucionais | ITA .

Quanto a experiências profissionais no exterior, o militar da FAB, depois de formado, possui algumas oportunidades ao longo da carreira. Pode fazer mestrado / doutorado no exterior (2 a 4 anos), missões técnicas no exterior (2 anos) e missões de treinamento (curta duração). Normalmente essas oportunidades só começam a aparecer depois de 5 anos de formado e com muito trabalho realizado. Dependendo da área dentro da Aeronáutica que você estiver, o processo pode ser mais lento ou mais rápido dependendo da necessidade da atuação. Do ponto de vista profissional, a missão de mestrado/doutorado no exterior é a que mais vale a pena neste contexto.

Contudo, se você já tem intenção de se mudar e trabalhar definitivamente fora do país, recomendo que faça o ITA como civil.

Abraços


#9

@susaneribeiro Para não criar outro tópico, poderia me informar se os trotes são frequentes na instituição e se forem tem como não participar deles?


#10

Hoje os trotes são tranquilíssimos, e vai quem quer.

São conversas, bate-papos, e na prática quase todo mundo acaba indo porque são muito legais, e essa é a forma mais fácil de conhecer toda a sua turma.

E acontecem nos primeiros 2 meses, então passa rápido. Fique tranquilo quanto aos trotes.