[Fuvest - Pinheiros] Cronograma / Ciclo de Estudos

vestibular
dicas-de-estudo

#1

Já resolvi o problema! ^^


#2

Olá, Fagner, certinho? Gostei muito de ler o seu post :smile:, principalmente porque me lembra um pouco da minha experiência nesse ano que estudei para a fuvest. Decidi sobre foca-la na metade do ano, e, para isso, tive que vencer não o preconceito, como no seu caso, mas muita bronca da minha mãe, falando “para de inventar moda” (eu amo ela kkk).:joy:
Enfim, isso foi por volta de julho e eu já estava para começar um semi-extensivo à noite junto ao ensino médio+técnico durante a manhã e tarde, respectivamente. Resolvi começar a fazer as provas, resultado super resumido: comecei com 52 acertos e empaquei quando cheguei aos 67. Isso realizando as provas de 2018 a 2009 (sim, em ordem decrescente, porém recomendado o contrário, assim como tu descrevestes). Já na prova desse ano, fiz 64 acertos, logo, não passei para a segunda fase de pinheiros.
Abaixo segue uma print com a minha evolução ao decorrer dessas provas, exceto pelas de 2018 e 2017, que eu fiz mais como experiência e sem tanta organização, espero que agregue em algo, abraços ^^


Ps: Será que haveria como disponibilizar o local onde conseguistes ou compartilha-lhas aqui no fórum? Ficaria super agradecido :wink:


#3

Tudo bem, sim! @VanioNaoNakamoto. Havia esquecido dessa ideia de ir acompanhando os acertos, hehe, obrigado por lembrar! Tenho duas perguntas. 1°: Você simplesmente foi fazendo/corrigindo a prova e partindo pra próxima ou teve algum ‘projeto’ entre provas? 2°: Não entendi sua última pergunta, disponibilizar o local de quê? haha. Caso seja sobre as planilhas, fui eu mesmo quem fiz! Me confirma que te passo sim! ^^

Abraços e obrigado por responder e compartilhar sua experiência!

PS: Parabéns pela evolução!!!


#4

Então, inicialmente a ideia do projeto era estudar o conteúdo todo de cada questão que eu errei [por exemplo, se eu errei uma questão que envolvia calcular a potência de um circuito elétrico, eu teria que estudar/revisar toda a eletrodinâmica] e após isso fazer em média blocos de 30 exercícios até que a taxa de acerto dessa matéria atingisse 90%.Concluído essa etapa, eu partiria para a próxima prova e repetiria o mesmo processo.
Na minha concepção, na 3º ou 4º prova já ficaria visível a evolução, e se ainda persistisse um conteúdo mesmo com o acerto nos blocos, essa seria marcada como urgente, logo, eu daria mais ênfase nela, repetindo a ideia dos blocos além de consultar a teoria em diferentes materiais para expandir a visão.
Na teoria, tinha tudo para dar certo, mas devido ao meu tempo disponível eu só consegui aplica-la em algumas matérias de física e matemática, pois caso contrário não haveria como fazer muitas provas [olhando para trás eu vejo que foi um erro, penso agora ser melhor focar mais em qualidade do que quantidade] , o que me ajudou MUITO mesmo nelas, tanto que as minhas maiores porcentagens na prova de 2019 foram nelas, errei 1 de física e 2 de matemática, em comparação, no que tange a ciências humanas e linguagens fui bem capenga :disappointed_relieved:
Essa ideia foi tirada do canal “Gregory Nobre”, a história dele é bem motivadora e o método que ele usou foi parecido, caso deseje ver deixarei os links logo abaixo.
Parte 1 - YouTube
Parte 2 - YouTube
Observação: Não recomendo fazer em um curto período de tempo, cogito que se fores fazer os últimos 10 anos vale a pena investir 1 ou 2 semanas por prova, dependendo da quantidade de erros.
E quanto a minha pergunta, eu me referia as listas de questões da fuvest 2000-2009 que mencionastes, esqueci de especificar :stuck_out_tongue_closed_eyes:


#5

@VanioNaoNakamoto Entendi! Bom, acabei de ver os vídeos dele e meio que bateu uma ‘‘bad’’, pois eu, como falei no post acima, fiz uns 19 simulados do Enem, tentando observar erros na correção, etc e na prova o impacto foi diferente. Bom, mas vida que segue. Isso que você falou sobre qualidade x quantidade é meio que bem verdade, imprimi várias provas anteriores com o intuito de fazê-las ao longo do ano, etc, mas não posso atropelar o processo real da coisa. Seu processo é basicamente UMA DAS IDEIAS que eu pensei, mas, como você pode ver, eu estou rodeado de incertezas, haha! Esqueci de comentar, mas fiz a 1a fase de 2010 e acertei 51 questões. Errei algumas por confusão, outras por não saber mesmo do conteúdo. Um exemplo que eu apliquei algo parecido ao seu foi geometria analítica - que eu nunca tinha visto. Quando vi que errei a questão, fui lá pegar a teoria, ver vídeo aula, fazer listas e mais listas até acabar a coisa, quando voltei eu consegui resolver. Demorei uns 2 - 3 dias nesse processo, mas eu senti que peguei, sabe? A insegurança bate na questão de ‘demorar’ sempre nos conteúdos e, voltando aquilo das provas, não fazer tantos simulados assim. Eu funciono muito melhor com essa rotina ‘‘robotizada’’ que você vê, então, por exemplo, deixar pra estudar uma matéria o dia todo é meio que uma furada pra mim porque eu disperso bastante. Agora me veio a ideia de pegar as provas antigas não como simulados, ao menos inicialmente, mas como questões por área, sabe? Por exemplo, no horário de biologia ali, eu faria um simulado apenas das questões de biologia da 1a fase 2011, por exemplo, e me dedicaria a corrigir meu erro nesses horários, focando neles em si. Porque, por essa primeira experiência que eu tive com simulado eu fiquei um pouco perdido retomando à prova todos os horários que você viu, até porque umas disciplinas eu tive que dedicar mais tempo (Matemática) e… enfim, eu fiquei um pouco perdido. Porém, em contrapartida vem aquilo de fazer ‘‘o simulado’’, e eu caio na dúvida novamente… Lendo isso você pode até achar que ‘‘dá na mesma’’, mas, sei lá, estou um pouco perdido, haha!

O link das provas é esse: https://fil.email/3VtMQgdc?&showconfirmation=true