ITA, vale a pena?


#1

Só para contextualizar: Estou no 3° ano do E.M., infelizmente conheci o ITA somente no final do meu 2° ano, as matérias que vi até agora tenho uma boa base, porém não o nível ITA.
Analisando e vendo o tempo médio de preparação dos aprovados “normais” (tirando aqueles que no 8° ano do E.F. já tinham 5 medalhas de olimpíadas rs) no ITA, tem uma preparação de mais ou menos 3 anos. Contudo a preparação de muitos outros vestibulares leva em média 1 a 2 anos no máximo (em muitos casos, somente o tempo no E.M. já basta), como a POLI (Engenharia na USP).
Levando em consideração essa diferença de tempo de preparação e claro, não vamos ser hipócritas, o risco de não conseguir ingressar no ITA mesmo depois desse tempo de estudo, o ITA ainda vale a pena? As oportunidades que os alunos do ITA tem são muito mais vantajosas do que as da POLI/Unicamp? Enfim, o ITA é tão mais vantajoso, que estudar 2/3 anos a mais vale a pena?
Ps: Estou desconsiderando todo o conhecimento que uma preparação pro ITA te dá pra vida mesmo.


#2

Oi Gustavo.
Antes de qualquer coisa, quero dizer que não entrei no ITA (mas pretendo entrar) e estou indo para o 2º ano do EM. Decidi que queria passar no ITA após uma palestra que tive no Colégio em uma feira de universidades. Não conhecia muito do Instituto antes, na verdade foi assim que eu de fato conheci. A palestrante foi a mulher, que não me lembro o nome, que coordena o Vestibular do ITA, que inclusive já estudou lá.
O ensino e alimentação do Instituto é totalmente gratuito, além de um tipo “plano de saúde” básico que os alunos tem direito e a área de lazer. A única coisa que pode pagar é o alojamento, que a mulher disse que era 90 reais por mês, ou você pode morar em outro local.
No 1º ano de curso, todos os alunos obrigatoriamente tem que fazer a parte militar, como soldados da reserva, recebendo aproximadamente 1500 reais por mês (ou seja, com um mês de curso você paga o alojamento dos 5 anos). Após isso, no 3º ano é dada a opção de continuar a carreira ou não, se sim, sairá como 1º Tenente.
Não me lembro exatamente como é o planejamento semestral dos iteanos, mas acho que é 8 semanas de aula, 2 de prova, 8 de aula, 2 de prova e algumas de férias. Geralmente, muitos dos alunos fazem intercâmbios e estágios nas férias.
É possível fazer um sexto ano de curso para ganhar o diploma de uma universidade da França também, parte das aulas aqui e parte lá, mas é preciso saber francês.
Logo no 1º ano de curso, muitas empresas convidam e entrevistam os alunos, porque acreditam em seu potencial.
Na MINHA opinião vale a pena estudar e se dedicar porque mesmo que você não passe esse ano e não queira tentar ano que vem, ao ir para a universidade você já estará melhor treinado e com maior facilidade de resolução de contas em engenharia.
Fiz a FUVEST ano passado (e 2ª fase esse ano) como treineira, estava no 1º ano. A prova é bem conteudista e bem distribuída nas duas fases. Se não me lembro, a nota de corte de engenharia na Poli foi 57 de 90. Segunda fase é mais difícil e cobrará questões relacionadas a sua carreira, português e redação no primeiro dia e (não tenho certeza) física, química e matemática no segundo. Você conseguindo fazer exercícios nível ITA, consegue fazer exercícios nível FUVEST. Seu esforço valerá a pena. Mas a escolha é sua.
Desculpe-me pela organização das ideias, apenas resumi o que lembrei da palestra e escrevi. Mesmo sem tantas informações, espero ter sido útil.


#3

Oi Gustavo,

Não sou nenhum expert em vestibular mas para mim o ITA não vale a pena. Mas se você quer vai em frente, no entanto, eu acho que a preparação para entrar no ITA é diferente das universidades.

Você vai ficar quebrando a cabeça em questões super-difícies do ITA em vez de se dedicar a outras disciplinas da Fuvest/Comvest.

Na Unicamp/USP você terá oportunidade de fazer dupla-diplomação na Europa. Ainda que você tenha que estudar muito durante o curso, não é esta loucura toda como ouvi falar no ITA. Você poderá ter uma vida +/- normal de univeristário com festas e tudo mais.